31 dezembro 2009

ÉS COMO OS POLÍTICOS

Estás aí à porta, Ano Novo, aguardando que o velho se despeça para entrares também na ilusão de quem te espera.

Não te iludas tu, porém, nem acredites que podes fazer algo  de positivo na Terra, porque os que nela mandam não consentirão.

No final serás escorraçado, como todos os anos que te antecederam, e sairás  com o rabo entre as pernas, se não o deixares preso…

Não queiras vir a passar por isso. Ainda estás a tempo de escolheres.

De resto, porque és como os políticos, não poderei contar contigo para nada, e tu só interessas a quem não precisa de ti.

Não te iludas, Ano Novo, nem iludas quem te espera.

In: Sérgio O. Sá,  Do Diário de um Marginal

29 dezembro 2009

COPENHAGA: Era uma vez uma Cimeira

Não sou bruxo, nem adivinho, mas…

A verdade é que tentei, dias antes do início da Cimeira de Copenhaga, deixar uma chamada de atenção para o grave problema das Alterações Climáticas, mas, não sei (?) porquê, não consegui entrar nos espaços cujas portas me têm sido franqueadas. (Agradeço, entretanto, ao Blogue ESTRADA POEIRENTA, que, dias depois, integrou, em jeito de comentário, o meu texto.

É, pois, a posteriori que transcrevo, aqui, no meu desconhecido blogue, esse texto, o mesmo que tentei publicar, em páginas bem mais visíveis,  no dia da abertura do evento.

«Iniciada hoje, 7 de Dezembro de 2009, receio bem que a tão propalada cimeira sobre as Alterações Climáticas não passa de mais um fiasco. Poderia e deveria ser da maior importância, se os protagonistas oriundos dos países que se fazem representar levassem consigo a consciência, a seriedade e a vontade necessárias para que, de uma vez por todas, a questão da decadência acelerada do nosso Planeta fosse levada a sério. Tão a sério, que as medidas a tomar (que terão de ser radicais, por força do estado a que a TERRA chegou) possam surgir quanto antes.

Infelizmente, poderá não passar de mais um encontro de “individualidades” que mais não pretendem do que se mostrar e dizer que os países a que pertencem existem, pensando ou fazendo de conta que os Povos desta decadente Aldeia Global os desconhecem e não sabem quem têm e com o que contam…

Mas a TERRA está em perigo iminente. Já o afirmei, há vinte anos, na Comunicação Social. Em 1992, noutra crónica, considerei a CIMEIRA DA TERRA, realizada no Rio de Janeiro sob a égide das Nações Unidas, como O INÍCIO DA ÚLTIMA ESCOLHA, acreditando que, finalmente, os homens prestariam atenção ao que de tão perverso vêm fazendo contra esta esférica Casa que habitamos e que há milhões de anos flutua no espaço sideral.

A verdade é que não se tratou de INÍCIO algum. Apenas a “conversa fiada” do costume, onde os argumentos anti-Natureza uma vez mais reflectiram a inteligência dos “senhores do mundo”.

Outros eventos internacionais, como o de KIOTO, por exemplo, têm ocorrido com fins análogos aos agora apregoados para Copenhaga, mas de eventos não têm passado. Que se poderá esperar de mais este? Será que ainda não se deram conta de que o o tempo de Vida na TERRA entrou em contagem decrescente e em progressão geométrica?

Que de uma vez por todas se acabe com tanta hipocrisia, com a paranóia do pseudodesenvolvimento. Que se deixe de ter medo de encarar a verdade e se implementem as urgentíssimas medidas que, já não sendo capazes de salvar o Planeta, retardem, pelo menos, a catástrofe global que porá fim à Humanidade.

Que Copenhaga fique na História como o MOMENTO DA VIRAGEM!

Esse foi o meu aflitivo desejo. Mas, infelizmente, nada aconteceu, nada poderia acontecer, porque os homens são os mesmos…

Não sou bruxo nem adivinho, mas… ERA UMA VEZ UMA CIMEIRA…

Sérgio O. Sá

02 janeiro 2007

OUTRA VEZ A COMÉDIA DO ABORTO

Vem aí o referendo sobre o aborto. O texto seguinte não foi elaborado a pensar nesse evento, mas aqui o transcrevo, pela a actualidade de que se reveste.

E mais mulheres a contas com a justiça. Com a justiça dos homens, claro. Coitadas das mulheres!
Não há dúvida que o mundo em que vivemos é mesmo dos homens. E se ao nosso planeta deram um nome feminino – Terra – talvez tenha sido para mais facilmente acabarem com ele, como vem acontecendo. De resto, os poderes que sobre ele imperam e o caracterizam desde que nele se implantaram foram e são predominantemente masculinos.
Desses poderes saiu a invenção de Adão, como homem, o primeiro, e de Eva como a primeira mulher. Primeira mulher que não teria surgido se Adão não existisse já. E a Adão teve Eva de ficar eternamente agradecida pela costela que lhe roubou para dela se gerar. Adão, o primeiro, de quem a mulher se tornou submissa servidora até aos dias de hoje.
Desses poderes masculinos saiu a invenção de deuses, de todos os deuses e de um outro que se tornou único e eterno, de um outro Deus que masculino também teve de ser, a cuja imagem os homens se julgam semelhantes para que os seus poderes se legitimem.
E a Deus, a esse Deus, os homens legaram o poder que aos homens interessa: poder de castigar, sobretudo, para que a justiça deles tenha o despacho favorável do Céu.
Justiça (deles), vocábulo do género feminino para que o seu referente possa ser usado segundo os interesses dos poderosos. Poderosos que, por serem homens, subestimaram a mulher, designando-a como do sexo fraco – mas a quererem dizer de fraco sexo –, a quem destinaram posição bem inferior.
A própria Igreja Católica – para me referir a um dos credos quantitativamente mais expressivos entre nós –, comandada que é por homens, ao mesmo tempo que exalta e entroniza a mulher, também a desonra e endemoninha, fazendo assim sobressair a superioridade de uma instituição de homens. No primeiro caso, santificando-a para que os homens demonstrem, uma vez mais, até nesse âmbito, o seu poder. No segundo, responsabilizando-a pelo mal ou parte do mal que acontece, ilibando-se eles próprios dessa responsabilidade. E em função dos respectivos interesses inventaram virgens e prostitutas.
As primeiras, de que Maria de Nazaré ainda é paradigma, para que, em consequência, com mais poderes se julguem, até para atribuir qualidades divinas a quem lhes convém.
As segundas, de que Maria Madalena é exemplo, para – em conformidade com o princípio de perversidade a que tiveram de obedecer, quando na pessoa de Eva ousaram contrariar os poderes do homem deus – as conservar na sua condição de coisa desprezível, sem a dignidade de entes espirituais, dignidade de que os homens se apropriaram para se posicionarem bem acima delas.
Coitadas, até no domínio da espiritualidade tiveram de esperar séculos para passarem de enteadas a filhas de Deus. Nem a experiência do sódio na mucosa oral, à hora do baptismo, nem o estremeção provocado pela benta água, na mesma hora, as ajudaram a alcançar mais cedo a filiação e a posição de paridade a que tinham direito.
Apesar da evolução do seu estatuto – estatuto de coragem para reivindicarem direitos equivalentes aos do sexo oposto – produzir já efeitos favoráveis, as mulheres continuam a ter de se cingir às regras ditadas pelos homens, sobretudo naquilo... para que no entender e no querer deles elas apareceram no mundo. Até no que respeita à conservação da espécie, pois a obrigação de parir é delas, para dar aos homens filhos machos, como os homens geralmente querem, seja ou não custoso expulsá-los de si para fora. Produzir aquilo a que a ignorância designa de milagre é o que importa, para se dar graças a Deus, cuja controversa vontade tem de prevalecer, por ser de origem masculina, quem sabe?!
Tem de prevalecer mesmo contra a vontade de quem, independentemente das circunstâncias em que as coisas acontecem, emprenha sem o desejar e se obriga, sabe-se lá porque razões, a esvaziar-se antes que a barriga aumente demasiado, sujeitando-se às consequências, com a justiça à espreita, sempre a espera de poder justificar-se.
Mas as mulheres não são hermafroditas. Sem um parceiro macho não engravidam. Parceiro que é muitas vezes o principal se não mesmo o único responsável pelas gravidezes indesejadas. Quem não sabe disso?
O que eu não sei é porque têm de ser apenas as mulheres a sofrerem as consequências quando não querem parir gente.
E lá vemos as manifestações pró-aborto, a Igreja a expressar preocupações e os políticos a opinarem a favor ou contra, intrometendo-se na questão, mas nunca se sabendo se por convicção ou se por conveniência.
Manifestações, preocupações, opiniões e mais ou menos hipocrisia de quase toda a gente. Mas são as mulheres que abortam a ter de prestar contas. Prestar contas à justiça inventada por homens e geralmente por homens levada a cabo, facto que talvez explique muito desta questão.
Desta questão, deste problema que só se atenuará quando aos homens responsáveis e co-responsáveis pelas gravidezes contraídas contra a vontade das mulheres for atribuída a consequente responsabilidade criminal relativamente aos correspondentes casos de aborto injustificável, sujeitando-os também à desagradável situação que o banco dos réus sempre implica.
Este ponto de vista – ou mera utopia? – não pretende a duplicação ou repartição de eventuais penas judiciais, pois isso não corresponderá a solução alguma. Resulta apenas do desejo de que o fenómeno do aborto injustificável deixe de fazer parte da miséria humana.
Só que o mundo continua a ser dos homens!

3 de Julho de 2006
AO 666 DOS U.S.A.

Com que então mandaste dependurar o homem, e pronto. Cumpriu-se, hoje, a tua vontade!
Que bela maneira de terminar o ano, não?
Pensarás tu que saíste vencedor?
Não, não saíste. Basta o facto de seres um filho da..., da humanidade, para saíres perdendo, uma vez mais.
E teimas em querer exportar a democracia e a justiça produzidas no teu quintal! Que belos valores tens para oferecer!

O tipo era criminoso? Pois era. Com quem teria aprendido?
E tu, já calculaste os crimes perpetrados pela democracia e pala justiça que chancelas?
Quem virá a ser o teu algoz?

30 de Dezembro de 2006

01 dezembro 2006

RECADOS A GEORGE W BUSH:


1 – FINGE QUE ÉS INTELIGENTE!

Pelos vistos invadirias o Iraque, do mesmo modo que o fizeste, ainda que tivesses a certeza de lá não haver armas de destruição massiva.
Claro, alguém duvidará? Até porque a firmação é tua, como tua é, de resto a invenção da existência de tais armas naquela terra de petróleo.
E acreditas que com investidas dessas a tua América poderá liderar o mundo, como queres?
Que liderança...!?
Deixa-te disso, George. Finge que és inteligente!
30 de Agosto de 2004.

2 – A GEORGE W BUSH

Há duas semanas morreu Yasser Arafat. São imprecisas as causas da sua morte, dizem.
Havias dito, em tempo útil, que tinhas de te desfazer dele: «temos de nos desfazer de Arafat».
E agora? Porque e de que terá morrido o palestino?
Não sabes?
25 de Novembro de 2004.

3 – É AMERICANO

Hoje fiquei sem palavras quando a R.T.P. mostrou, no telejornal das 20 h, um general americano a dizer, à frente de quem o quis ver e ouvir, que matar pessoas dava gozo e até era divertido.
Esse monstro é americano. Mas é sobretudo gente, é um homem. Um homem civilizado. Mais um a dar razão a Francisco de Assis.
4 de Fevereiro de 2005.

4 – AMÉRICA, AMÉRICA...!

És a luz que ilumina a Terra com o clarão das bombas que lanças sobre ela.
És a justiça que mata por vontade de Deus.
És a mentalidade que actualiza a Idade Média.
És a democracia que encurrala Índios e segrega Negros.
És a liberdade que invade povos e nações.
És a caridade que dá o que antes ou depois tira.
És a bondade que tem inimigos por todo o lado.
És a salvação que destrói o mundo.
És a verdade com que enganas o teu próprio povo.
Quem fecundaria quem te pariu?
25 de Maio de 2005.

5 – AO SENHOR GWG

Sempre me portei com decência nas cartas que te escrevi, às quais não tiveste vontade (ou capacidade?) de responder.
Concluí, entretanto, que não valeu nem vale a pena preocupar-me com a consideração a ter por ti, tão-pouco com dirigir a palavra a quem a despreza ou não a entende. Mas se mais alguma vez voltar a ter de o fazer, não contes com sinais de deferência.
Bem sei que quem pretende liderar (eu acho que é dominar) o mundo e está convencido de que é capaz de o fazer pela força ou pelos subtis processos de economia de má-fé, por exemplo, não pode ter sensibilidade nem substrato mental que lhe permitam sentir a intenção das minhas cartas nem o significado dos seus conteúdos. É pena!
É perna, pois a posição que ocupas exige outra postura, uma postura presidida pela humildade e pela sabedoria.
Desse modo talvez te apercebesses de que o mundo não é só teu nem é nenhuma colónia dos USA. Talvez pudesses responder-me. Talvez não fosse necessário fazê-lo por não ser necessário dirigir-me a ti. Talvez nem te interessasses pelo trono a que subiste sabe-se lá como. Talvez o mundo pudesse estar melhor.

6 de Outubro de 2005

26 novembro 2006

NOVA CARTA A GEORGE W BUSH EM 1 DE JANEIRO DE 2003
AGORA O IRAQUE

Mais um assunto que, apesar de aparentemente gasto, continua na ordem do dia. Daí a transcrição de mais esta comunicação ao “senhor do mundo”.

Exmo Senhor
George W Bush
Presidente dos Estados Unidos da América
Casa Branca
Washington – U.S.A.

Em 2001 tomei a liberdade de me dirigir a V.Exª, a propósito do então tão discutido Protocolo de Kioto e da relutância expressa por V.Exª. em subscrevê-lo.
Desta vez decidi abordá-lo por razões que igualmente se me afiguram da maior gravidade: a sua tão querida guerra contra o Iraque.
É do conhecimento geral que os argumentos que V.Exª. esgrima são o reflexo da visível obsessão que lhe invade a mente. Aliás, não é o primeiro norte-americano que sofre da patologia de se meter aonde não é chamado. Será que esse espírito de ingerência, subjacente às relações com outros povos, resultou do modo como as gerações ditas fundadoras dos U.S.A. se impuseram aos legítimos direitos das verdadeiras Gentes desse território hoje chamado de seu por V.Exª? Quem sabe!?
Os norte-americanos – os seus chefes, quero dizer, porque os súbditos parecem não passar de cérebros lavados – tornaram-se useiros e bezeiros na arte de desestabilizar o mundo. E fazem-no, muitas vezes, pelo interposto meio de terceiros (tal é a sua cobardia), procurando assim escapar à responsabilidade dos seus actos, mas aparecendo, depois, como remediadores das situações. Não apresento exemplos, pois V.Exª. conhece-os melhor do que ninguém. Não são capazes de viver sem conflitos fora das suas fronteiras, pelo que, acabado o entretenimento da guerra fria, houve que criá-los de qualquer modo para que o mundo continuasse aflito e a felicidade pudesse pulular por essas bandas. Que demoníaco modo de afirmação!!!
As estratégias políticas, militares e económicas, tão mobilizadoras do querer americano, não podem sobrepor-se aos direitos de soberania de quem quer que seja – os fins não devem, não podem, neste caso, justificar os meios –, mas é no que as altas esferas desse país apostam verdadeiramente. E quando não conseguem instigar quem lhes facilite a tarefa – o que começa a ser cada vez mais difícil – inventam justificações aparentes (quando não absurdas) para actuarem por iniciativa própria, como pretendem fazer agora em relação ao Iraque.
Nenhuma criatura bem formada concordará com a existência de quaisquer tipos de armamento: bélico, nuclear, químico ou biológico. E muito menos poderá aceitar que as Leis da Natureza e a harmonia entre os povos estejam sujeitas às monstruosidades da inteligência humana. Mas sentir-se-ão os americanos, na pessoa de V.Exª., com o direito de quererem desarmar aquele país do Médio Oriente, ou outro qualquer, das armas de destruição maciça (tenha-as ele ou não)? Com que legitimidade? Não é V.Exª. o fiel depositário dos maiores stocks desses tipos de armamento? Não é V.Exª. dono dos maiores e mais sofisticados arsenais alguma vez produzidos?
E porque é o Presidente dos seus concidadãos, é a si que pergunto: - Que pretende, afinal, V.Exª.? Protagonismo falaz ou forgicar mais uma oportunidade de levar a efeito outro exercício militar para manter as suas tropas em forma?
A arrogância, Senhor Presidente, é, normalmente, reflexo de insegurança nos mais diversos domínios (excepto por vezes no das forças armadas, sempre brutas e com a finalidade de destruir). Para quê possuí-la tão abundantemente, se com ela ninguém dá lição alguma a quem quer que seja? ?ara quê manifestá-la tão ferozmente, se dela só se acaba por receber, mais cedo ou mais tarde, a prova de uma pequenez inesperada ante a fatalidade de se ser apenas o que os outros acham que se é?
Em vez da paranóia da guerra, porque não toma V.Exª. decisão contrária? Porque não dá o esperançoso exemplo de mandar proceder à destruição das próprias armas dos seus U.S.A., persuadindo as outras nações a fazerem a mesma coisa?
A Paz não pode ser conquistada com a guerra, Senhor Presidente!
Senhor Presidente, ajude a provar que o mundo evoluiu positivamente!
Mostre como o nosso Planeta pode ser mais belo!
Faça alguma coisa para o bem da Humanidade, e poderá estar certo de que não faltarão seguidores conscientemente alinhados. Até os vossos inimigos, tantos já, por esse mundo fora, se curvarão perante tal atitude.
No começo de mais um milénio e no início deste 2003 não deixe passar a oportunidade para lançar as BASES DE UM TEMPO NOVO em que os homens venham a saber o que foram e possam finalmente desejar ser melhores.

Portugal, 1 de Janeiro de 2003.
(Seguiu-se a devida assinatura do seu autor e respectivo domicílio postal)

16 novembro 2006

TRANSCRIÇÃO DA CARTA ENDEREÇADA A GEORGE W BUSH EM 12 DE ABRIL DE 2001:

Exmo Senhor
George W Bush
Presidente dos Estados Unidos da América
Casa Branca
Washington – U.S.A.


Senhor Presidente,

Não é a primeira vez que me dirijo ao Presidente do mais poderoso país do mundo. Sempre o tenho feito por imperativos de consciência, quando observo que ao alcance do responsável máximo dos U.S.A. está a possibilidade de resolver ou de contribuir para a efectiva resolução de problemas que amedrontem a Humanidade.
Sou cidadão português, quase anónimo mas atento e consciente dos fenómenos negativos que decorrem da obra dos homens e afectam o mundo, e é nesta qualidade que escrevo a V.Exª.
Tomo, pois, a liberdade de lhe dirigir a palavra com a esperança de que aquilo que me motiva possa merecer de V.Exª. a necessária e decisiva atenção.
A situação do nosso Planeta é cada vez mais periclitante. V.Exª. sabe-o, pelo menos tanto quanto eu. Mas apetece-me lembrar-lhe, se me der licença, que o progresso da Humanidade já foi tão longe no que toca à destruição da Terra que, mesmo que parasse já de a agredir, seriam necessários séculos para que a reconstituição dos seus equilíbrios se fizesse. Imaginemos, pois, o que poderá acontecer, a muito breve prazo, à Vida, à Vida que tanto dizemos preservar e defender, se quem pode travar a corrida para o seu fim não o quiser fazer.
Se o Protocolo de Kioto é pouco, em comparação com aquilo que urge levar a cabo, é já alguma coisa, para além do que pode conter como estímulo para a tomada de outras medidas com análogos objectivos. O que é muito, muito grande mesmo, é a perplexidade daqueles que, acreditando na possível salvação do mundo, deparam com a absurda decisão de o presidente de um dos países que mais poluem a atmosfera (e não só) se recusar a subscrever tal Protocolo.
O início do fim do Planeta já começou. O efeito de estufa torna-se cada vez mais notório, e os U.S.A. contribuem com 25% de emissão de gases para esse efeito. Por isso não é plausível o argumento de que «os custos económicos não são compensados pelos esperados benefícios», como defende a política de V.Exª., o que leva a pensar que os correctos conceitos de “economia” e de “benefício”, bem como a relação entre eles, não têm significado quando os interesses dos poderes se sobrepõem aos do bem comum.
Pensará V.Exª., Senhor Presidente, que os seus Estados Unidos não sofrerão os horrores de uma vida insuportável que se abaterá sobre o Planeta em consequência das erradas políticas do ambiente que se teima em manter?
Se assim não pensa e tem consciência de que se avizinha uma tragédia global, a decisão que tomou ao eximir-se dos compromissos de Kioto não tem qualificação. O desrespeito pela continuidade da Vida na Terra e o desprezo pela espécie humana – factos que contrariam a missão de cada um de nós enquanto andamos por cá – invalidam todas as metas que possamos atingir, por muito honrosas e dignificantes que pareçam ser.
Senhor Presidente, em nome de todas as criaturas de boa-vontade, em nome daqueles que poderão vir a ser todos os futuros e em defesa da continuidade da Vida peço a V.Exª. que medite um pouco sobre este problema e tome a sábia decisão de ratificar o tão falado e esperançoso Protocolo de Kioto, colocando-se na dianteira dos que pugnam pela salvação do Planeta, para que AMANHÃ POSSA HAVER QUEM SE ORGULHE DAS ACÇÔES DOS HOMENS DE HOJE.

Portugal, 12 de Abril de 2001.
(Segui-se a devida assinatura do autor e respectivo domicílio postal.)

10 novembro 2006

EU AVISEI:
Há mais de vinte anos que dedico alguma atenção às questões do ambiente, procurando agir prática e pedagogicamente em conformidade com as exigências de tais questões. E do diálogo à publicação em livro, passando pela comunicação na imprensa regional, várias foram já as vezes em que me obriguei a expressar a minha opinião a propósito do assunto.
O texto seguinte, elaborado em 1996 mas só publicado em 2003, continua a fazer sentido, ou melhor, cada vez mais sentido, infelizmente. E uma vez que os problemas ambientais voltam a estar na ordem do dia, passo a transcrevê-lo quase totalmente aqui e agora.
6 - Contagem decrescente

Será por respeitar demais a Natureza que as preocupações provocadas pelos problemas ambientais me apoquentam tanto? Talvez, e sobretudo pelo facto de esses problemas resultarem, não da Natureza, que é causa e consequência de si própria, mas da acção descuidada ou mesmo conscientemente destruidora do ser humano. Não é, pois, por acaso que de alguns anos a esta parte tenha vindo a manifestar, publicamente e por diversos meios, a minha esperançada aflição relativamente a tais questões. Porém, com o decorrer do tempo, toda a esperança no bom senso das sociedades contemporâneas, todas as expectativas geradas no contexto das observações científicas, das movimentações ecologistas e das convenções políticas e toda a fé no trabalho pessoal desenvolvido se foram desvanecendo para darem lugar à frustração e à pena por esta espécie a que pertenço estar disposta a acabar consigo própria e com todas as outras formas de vida que ao longo dos milénios e com mais ou menos custo caracterizaram este Planeta.
Em 1992, considerei a Cimeira da Terra – esse encontro de personalidades de todo o mundo que tivera lugar no Rio de Janeiro, sob a égide das Nações Unidas – como o início da última escolha. Cheguei mesmo a acreditar que se trataria da grande (talvez a derradeira) oportunidade de a Humanidade tomar consciência do aproveitamento que vem fazendo do seu Planeta e procurar efectivamente resolver e evitar os problemas ambientais que tão desleixadamente lhe provoca. Mas o estado de graça – no qual esse momento de esperança quase me fez acreditar – não surgiu e advento não houve, pois a tão esperada boa-nova ficou perdida aquém do limiar da inteligência humana. Tudo porque o Homem se havia perdido, há muito tempo já, nos conceitos de desenvolvimento, de progresso e de riqueza que entretanto inventara e não quis, não quer e já não é capaz de alterar. E mesmo que algo tenha sido feito para inverter o sentido catastrófico em que o Planeta rola, também se verifica que tal sentido parece cada vez mais nítido, como mais curta se torna, a cada momento, a distância que ele indica. É que para casos desta importância, porventura o da maior importância, em que é a continuidade da vida na Terra que está em causa, não bastam as soluções pontuais, os pequenos remedeios, como vem acontecendo. Torna-se imperiosa a tomada de grandes opções, as quais, diga-se de passagem, não serão fáceis de assumir. Mas quanto mais tarde vierem a ser postas em prática as necessárias medidas, mais radicais elas terão de ser, sob pena de a breve trecho entrarmos na era da sobrevivência, como já observei noutra ocasião.
Se é verdade que a problemática ambiental tem sido, de há décadas a esta parte, objecto de análise, nunca como agora foi observada com objectivos estranhos a si mesma, passando a servir protagonismos diversos, sobretudo os de quem dela se aproveita. Não há político nem governante que se dispense de abordar a questão, como não há movimento de ecologistas que nela não se apoie para se afirmar, ou não sejam esses movimentos consequência de tal problemática. Aqueles, podendo fazer alguma coisa, por vezes muita coisa, raramente tudo, acham sempre que o assunto não lhes é suficientemente favorável por dificuldade de opção ante “gregos”, “troianos” e outros, a quem não desejam desagradar; estes, nada podendo fazer para além das pressões que eventualmente exerçam sobre aqueles.
A uns e a outros se junta a populaça como que a querer dizer que também existe. Se esta vai na conversa dos primeiros é mais para se opor a quem se manifesta contra do que para desejar que algo se faça, porquanto ela própria não está interessada nisso para escapar às responsabilidades que também lhe cabem. Se faz coro com os segundos não é tanto por estar de acordo com eles, mas seguramente por pretender contestar os outros.
De facto quase ninguém se interessa verdadeira e seriamente por este tipo de questões. A prova está aí, bem à vista, com os problemas a agravarem-se a cada instante.
Existem diversos organismos, oficiais e clandestinos, que vão dos que se dizem de abrangência internacional até aos de dimensão local; instituíram-se anos, meses, semanas e dias do ambiente, da floresta, da árvore, etc.; produzem-se filmes, artigos de opinião, revistas, jornais, livros, cartazes e outras publicações mais ou menos especializadas; continua, enfim, a desenvolver-se todo um conjunto de acções que parecem vocacionadas para a defesa e preservação do que ainda resta do Planeta. No entanto, são cada vez em maior número as praias e os rios sem condições para a prática de banhos, enquanto os banhos de sol se tornam, a cada dia que passa, mais perigosos; o efeito negativo das chuvas ácidas sobre a agricultura, e não só, continua em crescendo; a água que brota das fontes e dos poços em vez de matar a sede de quem a bebe, mata quem a bebe por ter sede; as leis do mar não são respeitadas e, em consequência, os mantos negros lá surgem, de vez em quando, para cobrir as suas águas; os lixos nucleares vão-se amontoando na terra, mas o mar também os recebe em quantidades medonhas, e quem sabe se até o ar...(?); se os fumos das chaminés fabris parecem diminuir, aumentam assustadoramente os gases expelidos pelos escapes dos automóveis; a desarborização do Planeta avança desordenadamente; o Homem torna-se o maior predador; a harmonia visual da paisagem vem dando lugar ao caos do cimento armado que cresce em qualquer sítio para causar fobias a tanta gente; o ruído ensurdecedor chega a todo o lado; a alteração biológica dos seres vivos e consequentemente dos produtos alimentares já não é novidade; as doenças crónicas continuam a desenvolver-se ao mesmo tempo que novas patologias aparecem; a fertilidade dos solos e a produção animal para consumo baseiam-se na química sintética. Em síntese, tudo resultando da acção humana, como expressão de progresso e desenvolvimento, assim considera a própria Humanidade.
O apego do ser humano ao sentimento materialista, a ganância pelo poder, quaisquer que sejam o tipo, a dimensão e as características desse poder, e o desprezo pelo valor de certos escrúpulos e por alguns princípios ditos de ética, mesmo que estes também tenham resultado da concepção humana, contribuem decisivamente para o modo errado como o Homem valoriza a sua existência. Incapaz de discernir quanto à verdade cósmica de que, queira ou não, participa, julga-se o centro do Universo. E agindo em função de si mesmo, isto é, dos seus interesses, não se apercebe de que tudo o que à sua volta existe com vida é tão importante quanto ele, enquanto consequência da Criação, da Natureza-Mãe.
Mas para si o Homem justifica-se sobretudo pelo que faz. E é com base nisso que fala de progresso e de desenvolvimento como que se trate de uma fatalidade positiva, engrandecedora de si e da sociedade a que pertence.
Evidentemente que uma parte significativa da sua obra tem de ser considerada necessária, por sermos animais sociais e culturais, e indispensável, até, por razões de sobrevivência da espécie. Mas o resto dessa obra acaba por desacreditar o seu todo, não passando de produto pernicioso que resulta de um comportamento errado, de efeitos desastrosos para a vida na Terra.
Poucos concordarão com este modo de encarar o problema. Porém, do outro lado não faltará, certamente, quem o entenda apenas como uma provocação alarmista, sem fundamento, e por isso o rejeite e sobretudo o conteste. É desse outro lado que estão as grandes potências industrializadas, destruidoras do equilíbrio que a Terra há tanto tempo atingira; é também aí que se encontram os que querem poluir, esperando a oportunidade de o fazer; por fim, os que não desejam participar desse atentado, mas que nada fazem para o evitar. Todos, afinal, a contribuírem para o tal progresso e desenvolvimento que tanto defendem, para a tão propalada qualidade de vida a que tanto aspiram.
Mas que progresso será esse que leva à destruição das camadas do ozono? E que desenvolvimento se pretenderá se as alterações climáticas são já evidentes, com o efeito de estufa a acentuar-se, os gelos da Antártida a fundirem-se e algumas zonas do globo a submergirem?
E que qualidade de vida ambicionarão com o levantamento, na periferia das cidades metrópoles e dos grandes centros industriais, de dormitórios que mais parecem favos em cimento do que casas onde se goste de habitar? Que qualidade de vida será essa que impõe horas de desespero nas filas de trânsito, de casa para o emprego e do emprego para casa, em cerca de trezentos dias por ano? Que qualidade de vida é essa, se o consumo de ansiolíticos e de antidepressivos é cada vez maior? Que qualidade de vida será essa, se os tempos livres da maioria das populações dos países ditos desenvolvidos são passados a consumir o que as economias de mercado lhe impingem, mesmo que de produtos de supérflua necessidade se trate? Enfim, de que qualidade de vida falarão quando o ar que respiramos, as águas que bebemos e os alimentos que comemos estão contaminados?
Cada vez mais se verifica que o significado da vida em sociedade vem sofrendo, a cada dia que passa, alterações mais ou menos evidentes. E não parece difícil de concluir que certos conceitos mudam em função dos resultados que os poderes económicos prevêem, impõem e esperam. Daí não ser estranho que atribuam qualidade à vida quando a artificializam, ou valorizem o progresso e o desenvolvimento enquanto fenómenos inerentes àqueles poderes, não obstante tais fenómenos poderem comportar em si mesmos desprezo pelas realidades que procuram suplantar, mesmo que essas realidades tenham estado e/ou estejam em perfeita consonância com o contexto natural do tempo e do espaço em que se situem.
Chegou, há alguns dias, o fim de 1995, ano que denominaram Ano Europeu para a Conservação da Natureza, não sei se com o objectivo de novamente se chamar a atenção do mundo para a situação cada vez mais grave que o afecta ou se com qualquer outro propósito. De significado pouco expressivo, dado o que se viu e ouviu, pelo menos no nosso país, de nada terá servido relativamente à questão em abordagem, pelo que a realidade de então acabará por ter continuidade, para desgraça nossa.
Como de outro modo já disse, no início deste apontamento, de nada servirão medidas avulsas que enquanto tal não passam de meias medidas. A Ciência sabe-o. Por isso, adiar o que deveria ter sido feito a tempo e horas só contribui para agravar a situação. Custa (?) é compreender o porquê de tal adiamento. Já não haverá capacidade para se pôr em prática medidas suficientemente adequadas? Acreditarão, aqueles que o podem fazer, que a sua aplicação já não vale a pena? Então porque vêm, de há anos a esta parte, a sugerirem acções concertadas neste domínio? Será que tudo não tem passado de conversa para iludir quem sente de facto o problema e está verdadeiramente preocupado?
Bem vistas as coisas, que importa ter-se dito que se pretende estabilizar as emissões de CO2, de modo a que no ano de 2000 elas não excedam os valores atingidos em 1990 – o que será impossível, aliás, atendendo-se à evolução do fenómeno –, se foram as fontes poluidoras da atmosfera em actividade antes daquela data que desenvolveram o preocupante efeito de estufa que nos irá sufocar?
De que valerá tentar rearborizar a Terra se a destruição das suas florestas abrange milhões e milhões de hectares? E mesmo que fosse possível recobrir tão vasta área – que não é o mesmo que fazer ressurgir os microclimas e os eco-sistemas desaparecidos – quantas décadas ou séculos demoraria tal reparação?
De que servirá abandonar-se (por hipótese) a produção de energia nuclear se os lixos dela resultantes continuarão, por tempo ilimitado, à espera de se transformarem em terrível catástrofe?
Apesar de tão pavoroso vaticínio, que se reduzam, sim, os valores de CO2, que se plantem muitas árvores e que se desenvolvam alternativas à produção de energia nuclear.
Contudo, pensando bem, acções concertadas, mesmo que sem equilíbrio (como que nestes casos o equilíbrio possa existir), é o que mais tem havido, desde há muito, mas em sentido negativo, pois todas elas têm concorrido para a destruição, apesar de inerentes (ou talvez por isso mesmo) ao progresso e ao desenvolvimento. Que têm sido as explorações petrolíferas, o abate das florestas, a evolução nuclear, para referir apenas os exemplos há pouco anotados, senão acções concertadas e bem pensadas?
Por muito que nos custe aceitar, já não há soluções eficazes para o problema. Passou tempo demais, e agora ter-se-á de dizer que a verdadeira solução já existira; existira antes, antes das causas que a implicam, ou seja, no não poluir – realidade que foi, para hoje não passar de utopia –; só que essa possibilidade, que não tinha necessariamente de significar a paragem da vida activa, outra coisa não significa quando observada por quem tem o poder de decidir; e parar, depois da Revolução Industrial, depois de todas as revoluções que nos fizeram chegar à Era Espacial, não faz sentido para essa gente.
A verdade é que a Terra está em perigo. As agressões que sofreu ao longo do tempo, sobretudo neste século*, abalaram significativamente o seu equilíbrio, a vários níveis. Os verdadeiros resultados dessas agressões estarão ainda para vir, pois o estado de catástrofe é progressivo e está apenas no seu começo. Mas parece que ninguém se apercebe de que o mundo entrou em contagem decrescente.
É urgente, pois, a tomada de consciência relativamente à fatalidade que nos sujeita, para que, apesar das dificuldades de se conseguirem soluções paliativas, se faça alguma coisa para evitar que o tarde demais chegue mais cedo.
*
Independentemente do que se diga sobre a questão, a verdade é que a Terra está mesmo em perigo. E se é legítimo o apelo à consciência dos homens para que algo se faça no sentido de minimizar a gravidade do problema, também se justifica que se questione sobre quem são os culpados e os cúmplices de tão preocupante situação.
Todo o ser humano é potencialmente poluidor e destruidor da Vida; basta que exista. E sê-lo-á efectivamente desde que tenha acesso às fontes de poluição e aos meios destruidores. (...) Mas os verdadeiros responsáveis pelo gravíssimo estado em que a Terra se encontra - responsáveis porque são quem produzem ou mandam produzir tudo o que polui e destróem ou mandam destruir o que à Natureza tanto custou a criar - não são obrigados a actuar como actuam, e fazem-no. Fazem-no esquecendo-se que esta Pátria Universal é de todos por igual, e não de meia dúzia de bestas erectas, grupo de criminosos - conceito tão corrente em qualquer sociedade, mas tão raramente extensivo a gente dessa - que eles próprios fazem questão de constituir. Esquecem-se, dizia, tanto quanto se lembram de acusar alguém, uma vez que de bodes expiatorios não prescindem para sua ilibação, recorrendo a argumentos mais ou menos falaciosos e a vestígios de verdade(2) com que procuram fundamentar as suas acusações. E quem são esses responsáveis?
Atendendo aos focos e agentes de poluição com que o Planeta se debate e ao estado irreversível em que deixaram os seus pulmões verdes, seria interminável a relação daqueles a quem têm de ser imputadas as inerentes responsabilidades. Por isso não faz sentido particularizar as situações, quanto mais pessoalizá-las em tão breve abordagem. Pode-se é afirmar que o fenómeno tem origem nos países ditos desenvolvidos, embora muitas vezes, em consequência dos desmandos dos seus potentados industriais, chegue aos outros, incluindo os do chamado terceiro mundo, onde se desenvolve e causa os maiores estragos. E desses países desenvolvidos sobressai aquele cujos governantes teimam em julgar-se os verdadeiros senhores do mundo e em fazer crer que o são. Trata-se, obviamente, dos Estados Unidos da América. País que, sendo, por si só, responsável por cerca de 25% das emissões de gases para a atmosfera – não falando dos aspectos destruidores, a outros níveis, fora do seu território, como na Amazónia, por exemplo –, não pode deixar de ser mencionado. E tanto mais não pode quanto mais abundante tem sido (e provavelmente continuará a ser) a arrogância de quem o tem governado. Ainda que essa arrogância se manifeste sobretudo no capítulo das ingerências nas políticas e soberanias alheias, também no domínio do ambiente ela é notória. G. Bush demonstrou-a em 1992, aquando da Cimeira da Terra, no Brasil, ao pôr objecções às propostas lá ventiladas relativamente à diminuição dos poluentes atmosféricos, tendo sobreposto a tão urgente necessidade a paranóia do desenvolvimento do seu país. Que se passará na mente de tais criaturas? Pensarão elas que a terra e a gente que governam não estão sujeitas às consequências de tais intrepidezes? O pior é que decisões idênticas continuam e continuarão a ser tomadas; ninguém duvide (3).

São decisões desse carácter e a inexistência de outras com força bastante para as contrariar que estimulam as acções que tornarão insuportável a vida no Planeta – esta maravilhosa obra que a Suprema Natureza tanto tempo levou a conceber.
E a Humanidade – que se sente emancipada e detentora da mais elevada sabedoria, que muito valoriza as causas da justiça, que condena com satisfação, mesmo indevidamente ou com penas absurdas, como a prisão perpétua e a pena capital, aqueles que ela própria origina e integra, chamando-lhes criminosos – não quer ou não é capaz de ver que segue e aplaude quem decididamente perpetra o maior e definitivo crime contra si própria: o fim da História!
___________
* - Referência ao séc. XX.
(2) - Apenas os vestígios de verdade lhes interessa, uma vez que a verdade por inteiro acaba por reflectir a realidade a que eles próprios deram e dão origem.
(3) – Afirmação esta confirmada agora, cinco anos depois de elaborado o presente texto, ao surgir a expectativa gerada à volta da reunião de Kioto. Expectativa à qual o novo chefe americano – que para desgraça de todos se chama George W. Bush e é filho do anteriormente citado – se recusa a corresponder, com o argumento de que para o efeito «os custos económicos não serão compensados pelos benefícios» a esperar. Tal pai, tal filho...!
A carta que neste momento (12 – 04 – 2001) lhe endereço apela para a sua mudança de atitude e alerta para a importância e necessidade de «amanhã poder haver quem se orgulhe das acções dos homens de hoje». Mas sabendo-se que a política que defende é desfavorável ao implemento de medidas que possam obstar à degradação do Planeta, não é de esperar que esta inocente chamada de atenção dê frutos. Resta-me a utopia em que necessito de acreditar.

Fonte: Sá, Sérgio, Largada de Pombos Bravos, 2003

Eu avisei. Ningém fez caso. Mas as últimas dos sábios já poucas décadas dão de clima suportável para Portugal, Espanha e Itália, pelo menos. Depois será o que se prevê para o resto do Mundo.

E agora?